Quando o abuso vem de onde a gente menos espera

“Ih, lá vem a feminazi com todo esse femimiminismo”, você pode estar pensando. Toda vez que falamos em relacionamentos abusivos, a primeira coisa que vem na cabeça é sempre aquele namorado (a) babaca, que diz coisas do tipo:

– Se você pintar o cabelo, eu termino com você;

– Se você terminar comigo, n i n g u é m vai querer namorar com você. Ninguénzinho no mundo todo;

– Você é burra!;

– Você vai sair com essa roupa?!;

– Sua puta/vagabunda/vadia/insira algum elogio aqui;

Só que nem sempre um relacionamento abusivo é tão ~sutil~ assim. Às vezes (muitas vezes), a gente nem se dá conta de que está em um relacionamento abusivo. E, às vezes, esse tipo de abuso vem exatamente das pessoas que deveriam te alertar sobre relacionamentos assim: seus amigos.

Definição de relacionamento abusivo, por JOUT, Jout (2015):

jout jout frases se o sujeito precisa te diminuir

“Se o sujeito tem a necessidade de te diminuir para que ele possa ficar grande e maravilhoso ao seu lado, talvez não seja um bom relacionamento pra você estar metida” – Não tira o batom vermelho. 

Pois é. Talvez não.

Eu, que vivo no mundo da lua, demorei muito pra perceber que não é normal uma amiga, ao ver a outra estudando para uma prova difícil, dizer: ‘um colega meu do trabalho também tentou. Ele não passou, não’. Que não é ok alguém que se diz amiga te encontrar em um bar, revirar os olhos e ir sentar em outra mesa. Muito menos fazer comentários negativos ou debochar das escolhas do outro – mesmo que não faça sentido para você.

Aprendi que amigo de verdade dá um toque no particular quando a gente é escrota – e não manda um e-mail no RESPONDER PARA TODOS te mandando ficar caladinha porque se não “vai te colocar no seu lugar”. Que amizade é quando a gente sabe que, se alguém falar mal da gente pra um amigo, ele vai se posicionar. Que não é amigo aquela pessoa que, quando vê você sendo elogiada, diz que a pessoa “só pode estar apaixonada por você” – porque de qual outra maneira você seria reconhecida, não é mesmo?!

Essa lista poderia continuar por mais alguma linhas e, talvez, você tenha se identificado com alguma situação.Tudo isso não aconteceu de uma vez, em dias, meses ou semanas seguidas. Foram anos dessas situações, risadinhas, ironias e indiretas que eu nem percebia. Afinal, eles eram tão meus amigos, né? E eu tinha medo de que, se eles não fossem mais, n i n g u é m, ninguénzinho no mundo, iria querer a minha amizade. Parece familiar? :)

Mas o mais incrível foi que, só quando o “ficar sozinha” finalmente se concretizou que comecei a perceber o quanto eu me diminuía para estar ao lado desses ~amigos e o tanto de possibilidades que excluía da minha vida com medo do que eles iriam falar/pensar.

Foi só sozinha que aprendi sobre mim e a me gostar. Estreitei laços com a minha família e valorizei quem permaneceu ao meu lado – mesmo nos piores dias e momentos. Voltei a escrever (que é a coisa que eu mais amo no mundo). Comecei um diário. Encontrei um (ou alguns) propósitos. Meu relacionamento comigo mesma só melhorou e até perdi a vergonha do que os outros iam pensar.

parque lage ana sasso

Até cropped top eu já usei! rá!

E, se me permitem citar Jout Jout mais uma vez: “Não é impossível ser feliz sozinho. Inclusive, só é possível ser feliz com alguém quando você consegue ser feliz sozinho”, tá bem?

A gente não sabe o que passa na cabeça e na vida das pessoas. Às vezes, elas podem ser abusivas sem nem perceber. E a gente, também sem reparar, cai na cilada e vai relevando, deixando passar… Paulo Freire, aquele que querem tirar das escolas, tem uma frase assim:

[Empoderamento] é a capacidade do indivíduo realizar, por si mesmo, as mudanças necessárias para evoluir e se fortalecer”.

Foi só quando me afastei que entendi: assédio moral/emocional não vem só dos lugares mais óbvios e a gente pode só se dar conta depois, quando começa a juntar todas as peças. Outras vezes, a gente também pode ser o responsável por esse tipo de abuso, sem nem perceber. Eu também já errei. O importante é, um dia, enxergar os erros e buscar evoluir – mesmo que seja escrevendo aqui :)

Anúncios

4 comentários sobre “Quando o abuso vem de onde a gente menos espera

  1. Robécia disse:

    Nossa que post sensacional! Eu amei e é tão gostoso descobrir isso não é? É como se encontrássemos o nosso lugar ou algo como, não importa agora sou assim e sei como seguir.

    Achei genial, e parabéns pela evolução ☼

    Abraços, ♥

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s