Hilda,

Escrevo para-ti  da praia, em meio a um festival dedicado à seu nome. Me questiono o que pensaria sobre isso. Alguém já tentou contato com você, Hilda?

Não estudo sua obra, tampouco sua vida, mas questiono e sinto os mesmos anseios que percebo em você. Morte. Vida. Deus. Amor.

Vejo nomes de casais escritos em alguns cadeados, presos à uma ponte. Acho engraçado que a tranca seja o símbolo escolhido por alguns apaixonados. O vazio do infinito. O centro do universo. Penso em escrever Eu em um deles. Com maiúscula, assim como a Morte.

É que para derramar-me em alguém preciso, antes, derramar-me em mim. Se não, não há o que derramar. Fico oca, em vácuo, no limbo. Que lugar horrível para ser.

Ouvi, de um de seus conhecidos, que você viveu uma vida sem concessões. Espero que seja verdade.  Peço: se puder, me fale sobre isso.

Em meio à tantos ruídos, questiono: quais concessões valem a pena ser vividas? Se é que valem, se é que existem. Continuo: quais escolhas são conscientes? Despertas? É possível fazê-las? Abro mão de quê para quê?

É claro que somos loucas, penso. Considerando o lugar em que vivemos, os anseios que absorvemos, o que captamos, formas como vivemos. O fluxo constante. É claro que ouvimos vozes, dado os ruídos que nos acompanham. Não me assusta a vida reclusa.

Os mortos vivem, Hilda. Os vivos morrem. Pego o trem.

Anúncios

uma carta

oi. lembra da primeira vez que a gente saiu?
eu me apaixonei no momento em que percebi que a gente queria as mesmas coisas: uma casa, um lugarzinho pra visitar e uma vida tranquila. naquele momento eu soube que era você. que eu poderia me jogar sem medo e que ainda sim, seria você. que eu poderia resolver ir pra balada ou beber demais numa terça feira que ficaria tudo bem, porque do meu lado estaria você. eu me senti segura.

Continuar lendo

sobre obviedades

no ano passado, quando participei do leia mulheres sobre o livro “outros jeitos de usar a boca”, uma das coisas que percebi foi a dificuldade que temos em dizer o óbvio. a rupi kaur, autora do livro, é muito criticada porque, supostamente, o que ela produz é tão simples que não pode ser considerado poesia.

Continuar lendo

sobre processo de criação e autodescobrimento

ontem comecei o curso de escrita para a TV da shonda rhimes no masterclass. e nós duas temos algo em comum: nosso processo de criação começa nas notas do celular.

é louco porque não funciona, pelo menos pra mim, essa imagem do escritor que senta de frente para uma janela com seu notebook e para tudo pra escrever (olá, carrie bradshaw!). meu processo de criação começa naquele estado em que não estou nem dormindo, nem acordada. acho que é o momento em que estou mais receptiva para minhas ideias. são elas que me despertam. e é de manhã, antes que eu possa ser invadida pelo dia, que escrevo as coisas que mais gosto.

começam com uma ou duas frases, que se repetem na cabeça feito música (mais um exemplo que a shonda usa no curso!) e viram alguma coisa com mais sustância. foi assim que escrevi meu tcc, ainda na faculdade, e é assim que estou me descobrindo nos últimos tempos. que bom!

(ah! e a título de curiosidade, essa imagem é só o final de um poema que ainda estou trabalhando 👩🏻‍💻🙃)

esse post foi originalmente publicado no instagram. alguns posts que aparecem por lá, são republicados aqui com conteúdo que considero mais extenso e não tão interessante para o público do instagram. o inverso também pode acontecer. me siga por lá :)  

a primeira vez que pensei no mar foi ano passado

estava na colômbia e, antes de entrar no mar, avisos pediam para que só se usasse protetor solar biodegradável. eu nunca tinha pensado sobre isso.
alguns minutos depois, entre peixes no meio do mar do caribe (que privilégio!), pensei em como a gente pode fazer mal para aquele lugar. e fazemos. o tempo todo.
se você olhar a segunda foto da galeria, vai ver que mesmo nessa ilha pequenininha no meio do nada tinha uma garrafa de plástico. não era a única e com certeza era uma baixa porcentagem do que navega por aí.
esse mês se destaca a hashtag #julhosemplastico ou #plasticfreejuly. você não precisa ser a bela gil nem fazer churrasco de melancia para ajudar, mas você precisa fazer alguma coisa. ou melhor, não fazer. não aceitar canudos de plástico (ou carregar o seu na bolsa) ajuda. não usar copinhos de plástico no café ou na água do escritório ajuda. não comprar garrafinhas de água (e ter a sua, na bolsa, mochila, carro) ajuda. não aceitar sacolas de plástico no mercado ajuda. não comer carne um dia da semana te faz descobrir novos sabores e ajuda (olha lá o @segundasemcarne!). é pouco? é. mas é alguma coisa. e é melhor do que nada. “feito é melhor que perfeito”, não é?

estou publicando algumas coisas que deixei ou que quero fazer no story do instagram. está tudo nos destaques, com o nome “sem plástico”. quem sabe não te inspira? vai lá 🙃

esse texto é, originalmente, uma legenda do instagram. me segue lá também?