as porteñas estão cansadas

é difícil passar por alguma esquina de buenos aires sem ver muros com palavras de ordem. a argentina passa por um momento histórico e são nos muros que se discute a violência do estado, o desaparecimento de corpos, o feminicídio, o feminismo e, até, a morte de marielle. são nos muros que vemos que não estamos tão distantes assim.
as cidades são das pessoas e os muros ilustram o que ainda pouca gente tem coragem de discutir. por isso talvez ainda seja tão difícil para muita gente aceitar esse tipo de arte.

olhar para os muros é, principalmente, olhar para fora. para o que está além da nossa realidade e dos nosso privilégios.


Anúncios

a primeira vez que pensei no mar foi ano passado

estava na colômbia e, antes de entrar no mar, avisos pediam para que só se usasse protetor solar biodegradável. eu nunca tinha pensado sobre isso.
alguns minutos depois, entre peixes no meio do mar do caribe (que privilégio!), pensei em como a gente pode fazer mal para aquele lugar. e fazemos. o tempo todo.
se você olhar a segunda foto da galeria, vai ver que mesmo nessa ilha pequenininha no meio do nada tinha uma garrafa de plástico. não era a única e com certeza era uma baixa porcentagem do que navega por aí.
esse mês se destaca a hashtag #julhosemplastico ou #plasticfreejuly. você não precisa ser a bela gil nem fazer churrasco de melancia para ajudar, mas você precisa fazer alguma coisa. ou melhor, não fazer. não aceitar canudos de plástico (ou carregar o seu na bolsa) ajuda. não usar copinhos de plástico no café ou na água do escritório ajuda. não comprar garrafinhas de água (e ter a sua, na bolsa, mochila, carro) ajuda. não aceitar sacolas de plástico no mercado ajuda. não comer carne um dia da semana te faz descobrir novos sabores e ajuda (olha lá o @segundasemcarne!). é pouco? é. mas é alguma coisa. e é melhor do que nada. “feito é melhor que perfeito”, não é?

estou publicando algumas coisas que deixei ou que quero fazer no story do instagram. está tudo nos destaques, com o nome “sem plástico”. quem sabe não te inspira? vai lá 🙃

esse texto é, originalmente, uma legenda do instagram. me segue lá também?

o que fazer em buenos aires museu eva peron evita el zanjon visita guiada teatro colon ballet coppelia

Três lugares (pagos) para conhecer em Buenos Aires ​

1. El Zanjon

Na década de 1980, um morador comprou uma casa e um terreno em San Telmo pelo preço de dois carros populares. Ele queria construir um restaurante e um estacionamento nos locais mas, ao começar a reforma, descobriu túneis, cisternas e muita história por baixo das casas dos bairros. O museu conta muito da história de Buenos Aires, da Argentina e um pouco da América Latina – por que mesmo a gente aprende tão pouco sobre isso na escola?

A visita guiada dura cerca de 1h. Não darei spoilers mas, para mim, foi um dos passeios mais legais e que vale ser feito nos primeiros dias de viagem, até para entender um pouco da cultura porteña.

É uma iniciativa privada e, por isso, foi o mais caro do rolê: 300 pesos, cerca de R$ 40 por pessoa. Foi o meu preferido. Dica: o tour em inglês é bem mais vazio que o em espanhol. Ah! Deixe para visitar depois de setembro/2018, quando a Casa Mínima (a casa mais estreita da cidade) também estará inclusa na visita guiada.

Endereço: Defensa, 755.

Você pode fazer esse passeio no mesmo dia da sua visita à Casa Rosada (que você pode conhecer de graça) e a Plaza de Mayo, assim como ao Mercado e a Feira de San Telmo (a feira só aos domingos). Se quiser se estender um pouco mais, pode visitar a C.R. Cosas Lindas, a padaria mais antiga da cidade (fica na Perú, 1081). O alfajor é gigante e, na minha humilde opinião, mais gostoso – e fresquinho, claro – do que qualquer outro que você vá comprar em caixas.

2. Teatro Colón

o que fazer em buenos aires museu eva peron evita el zanjon visita guiada teatro colon ballet coppelia

A principal casa de ópera da Argentina. De deixar de queixo caído. Assistimos um ballet, Coppelia, e foi maravilhoso. Também conta com visitas guiadas durante o dia, mas não fizemos. Os ingressos mais caros, para essa peça, eram cerca de 1200 pesos, ou R$ 170. Os nossos, em pé, no último andar foram R$ 11 cada. A visão é perfeita, mas é cansativo assistir uma peça com 4 atos em pé.

Junto com o Zanjon, é o meu “não deixe de ir”.

Endereço: Cerrito, 628.

3. Museu Evita

Não permite fotos, essa é do escritório de Eva Perón na Casa Rosada. 150 pesos por pessoa, sem a visita guiada. Fomos durante o jogo da Argentina, então estava vazio e ficamos cerca de 1h ali. A casa é um antigo lar para mães solteiras que Eva montou durante a vida. A exposição permanente mostra a vida de Eva a partir de vídeos, frases e objetos, como os vestidos que usou em momentos icônicos, desde a ida para BsAs, aos 15 anos, até o que usou em sua visita ao Papa. Mostra, também, algumas das coisas que Eva fez ao país, como o direito ao voto feminino (o qual tenho minhas opiniões sobre), a escola de enfermeiras e a distribuição de brinquedos para crianças durante datas especiais.

A exposição segue os passos de Eva até sua morte, em 1952, e comenta brevemente o sequestro de seu corpo por militares por 15 anos. Talvez pela sua morbidez ou respeito, o assunto só reforça como nossos corpos não são respeitados nem após a morte, assim como aconteceu como Marilyn Monroe.

No momento, também conta com a exposição temporária (e interativa) Millones, de Jorge Caterbetti. Ao final da visita ao museu, você pode tirar uma foto em uma cabine, junto com uma foto de Eva e uma rosa. As fotos são descarregadas no site e, algumas, expostas no local.

Endereço: Lafinur, 2988.

P​ara se hospedar em Buenos Aires, recomendo o hotel que ficamos, o Hotel Uthgra de las Luces, no centro e bem próximo à Casa Rosada/Plaza de Mayo. O hotel conta com café da manhã e está em ótima localização.00 Se fizer sua reserva por esse link do Booking, ganha R$ 50 de desconto e automaticamente apoia o conteúdo daqui :)

Gracias, Barcelona

barcelona ana sasso

Embarcou para Barcelona com uma mala de mão. A ideia era aproveitar o verão sem grandes preocupações. Na manhã antes do embarque, foi a manicure e levou dois esmaltes da cor verde musgo: “Quero pintar com os meus, assim posso retocar durante a viagem”, explicou.

Continuar lendo

Das coisas que ninguém diz – Paris

paris ana sasso coisas que ninguém diz

Desde os 15 anos conhecer Paris era um sonho. Aos 26, fui recebida com chuva, frio e seis andares de escadas para subir com a bagagem.

Continuar lendo